Fim de namoro, ou carta de adeus - Como preferir.

Written By Cris V on quarta-feira, 25 de abril de 2012 | 21:01

Amor, estou te escrevendo pra terminar o nosso namoro. É triste, eu sei, ter que terminar algo que nunca chegou de fato, a existir. Um esboço, uma história que alguém esqueceu pela metade e coube a mim, concluir. Uma pena, pois eu a teria escrito de maneira diferente. Eu teria tentado te fazer mais e mais feliz.
Queria te contar que me apaixonei por você. Chame isso de bobagem, imaturidade, infantilidade. Não importa o nome que dê, não reduziria em um milímetro o que sinto. Creia. Eu já tentei tirar você da cabeça. Sem sucesso! Que nem febre alta, essa paixão não cede, essa saudade não passa. Não sei como pude me apaixonar assim. Não sei como pude me deixar envolver. Mas o fato é que aconteceu. Você foi, nesse último ano e pouco, a companhia que eu mais desejei ter pra mim, de verdade. Não por falta de opção, por falta de juízo mesmo. Eu só queria você. Te achava perfeito em suas imperfeições. Lindo, sensual, inteligente, divertido, protetor, às vezes paternal, e de quebra, dança um forró...sem comentários. O cara pra namorar, pra apresentar à família. Também, quem mandou saber segurar na mão como só você sabe, sorrir, beijar, seduzir, dengar?
Não sei de fato quando foi que comecei a me apaixonar, mas confesso que até aquele beijo roubado, no estacionamento do shopping, num final de uma tarde qualquer de Janeiro, eu não te levava muito a sério. Foi ali que tudo começou a mudar. Foi ali que a química começou a fazer seus estragos em mim. Seu beijo deixou vontade.
Adorava ouvir sua voz sem vergonha, quando você me ligava, seus convites inusitados por telefone, no meio da noite. Achava estranho, mas adorava ouvir, rubra, vermelho tomate, as suas pequenas perversões.
Nosso namoro durou, à distância, em segredo, só nosso. Alimentado pela expectativa. Uma vontade danada de te ver, mas um medo ainda maior de romper as barreiras da minha insegurança, e ir.
Foi preciso que o São João esvaziasse a cidade, que você colocasse borracha em todos os postes, lembra? Pra que eu tivesse coragem de ir te ver. A vontade venceu meus medos e eu fui. Queria muito te encontrar. E nosso encontro valeu. Você me deu uma noite de São João inesperadamente linda. Na capital, na contramão do mundo, que fugia pro interior. Não tinha fogueira, não tinha quentão, era atípica a noite de São João, mas ainda assim, era perfeita. Repleta de seu calor, de sua carinho, de sua atenção. Seu abraço me enchia a alma, seu beijo me arrancava do chão.
Eu só queria que o São João durasse pra sempre. Mas não dura, né amor? E nosso amor foi ficando numa festa junina. Foi se apagando que nem fogueira. Eu achei até que já tinha apagado. Foi quando sua voz rouquinha reatou nosso namoro num sábado de Carnaval. Reacendeu nossa chama. Você veio me ver. No interior, mais uma vez na contramão do mundo, que fugia para a Capital.  Marcou seu lugar, achei que era pra ficar. Mania burra de achar. Não sei perguntar. Deixo ficar subentendido. Tudo errado, mas subentendido. Nas loucas horas com você, me sentia incrivelmente à vontade. E o tempo passou depressa demais.
Lembro dos nossos últimos encontros, à beira mar. Intensos, como todos os outros. Mágicos pra mim, provavelmente iguais a tantos outros pra você.  Quem dera pudesse fazer o tempo parar. Quem dera pudéssemos sair da contramão.
Eu nunca te falei a respeito. Mas no fundo, acreditei nas primeiras frases que me disse, "estou aqui sozinho, esperando você". Acreditei que essa pessoa por quem você esperava era eu. Quem dera fosse verdade. Queria você, namorado. Queria amar você, amor. Queria teu calor, teu afeto, cuidar de você, te proteger mesmo à distância. E oro por você, pra que o seu coração, encontre a paz que o meu necessita. Queria ter sido especial. Hoje, quero apenas, te ver feliz.
Desculpa, eu não sei ligar. Não sei correr atrás, não sei marcar território. Não sei forçar a barra. Respeito o espaço do outro. Se quando era sim, você se fez presença, compreendo sua ausência como um não. Se quando queria, você ligava, compreendo o silêncio como um convite para te esquecer. E entendo que talvez não tenha sido tão bom pra você, quanto foi pra mim. Vai ver, foi culpa da carência. Vai ver, nem era pra ser.
Queria mesmo continuar sendo só de você. Mas sozinha, me sinto incapaz de ser fiel ao meu ideal por muito mais tempo. Tenho que ir. Gostar de quem gosta de mim. Seguir quem me queira. Essa saudade de você me mata. Não sou boa com ausências. Como diz Caio Fernando Abreu, "Ou você me quer e vem, ou não me quer e não vem, mas me deixe saber, para desocupar meu coração". Seu silêncio me deixou saber. Você não me quer e não vem. Não dá mais pra esperar. Preciso preparar a mudança. Arrumar a mobília, esvaziar a sala, empacotar os pertences, desocupar meu coração. Abrir vaga para quem queira ocupar. Não posso viver de ilusão. Essa é a formalização do adeus. Chega de reticências, de ficar contando saudades. Se o meu amor não é possível, não cabe mais vírgulas. É ponto mesmo, e final.
Talvez agora você entenda o porque dessa carta maluca, que te alforria do que nunca te fez cativo. Que te liberta do que nunca te prendeu. Que finda um namoro que só existiu pra mim. Eu  namorei você. Dediquei uma oração todas as noites, e um pensamento florido todas as manhãs. Te levei em pensamento comigo a cada lugar lindo que eu visitei, abracei o travesseiro pensando em você. Viajei em sonhos com você, criando mimos pra te ver sorrir. E namorei, namorei. Eu namorei você. E já que comecei sozinha esse namoro, agora preciso terminar.
Por fim amor, foi bom. Valeu. Te desejo do fundo da alma, amores reais. Do jeitinho que seu coração puder sonhar. Do jeitinho que te faça feliz. Que você seja muito feliz. Que seus olhinhos de menino sapeca possam se iluminar de alegria sempre. Simplesmente porque, você existiu e me fez quebrar paradigmas, ousar, me fez feliz. Obrigada por todos os sorrisos que provocou!
Um beijo enorme no coração!
Sua ex namorada...
Por Cris Vaccarezza

6 comentários:

Matheus Felipe disse...

Profundo ... , Pelo menos , houve sinceridade i carácter ... Gostei !

Anônimo disse...

É muito emocionante ate eu fiquei emocionda...

Anônimo disse...

Nossa é muito exitante eu adorei esse rompimento...

Anônimo disse...

EU TAMBEM to assim 2171378607 laryssa manuela

Anônimo disse...

Para mim só faltou ser escrito assim. Mas aconteceu comigo.

Minha garota simplesmente cansou e me abandonou.

Anônimo disse...

Com exceção que eu não vou a festa de são joão e nem a carnavais, minha historia foi tão parecida...
O fim ficou desse jeito subentendido, e Ele até q veio novamente, mas não para mim